SmartLinks

Smart Blog

5 tendências do e-commerce para 2023

Smartphone com diversos símbolos relacionados com e-commerce, como símbolos de conetividade, segurança, monitor, fotografia

Para reforçar as competências da sua empresa, tome nota das principais tendências do e-commerce para 2023.

O comércio eletrónico continua em crescimento em Portugal e no mundo. O m-commerce, em particular, é mais popular nos países do Sul e do Este da Europa do que nos países do Norte e Escandinávia.

Estão a chegar os dias mais fortes do ano para o comércio. Quer preparar-se para a melhor Black Friday e Cyber Monday de sempre? Esteja a par das últimas novidades no Smart Blog!

 

Está curioso sobre este tema?

Já aqui falámos no impacto que a pandemia teve na atividade comercial neste artigo sobre as tendências do marketing digital.

 

1. M-commerce

O mobile commerce diz respeito às atividades comerciais efetuadas em aparelhos portáteis e sem fios, tal como smartphones e tablets. É a evolução natural do e-commerce, permitindo maior mobilidade. Tudo o que precisa é de um telemóvel com acesso à internet e pode fazer as compras enquanto está no autocarro ou no ginásio.

Com o regresso à normalidade, as pessoas voltaram a movimentar-se entre casa, trabalho, escola e outros locais. Nestas andanças, o telemóvel tornou-se uma ferramenta indispensável de pesquisa de bens e serviços. E se existe pesquisa, porque não concluir a operação e comprar? Descarregar a informação em telemóveis é hoje em dia mais rápido e seguro.

Além disso, as marcas podem tirar partido das tecnologias baseadas em GPS para promover os seus produtos ou serviços a quem está de passagem na vizinhança.

 

 

O m-commerce ainda enfrenta vários desafios a nível de acessibilidade, design e segurança, mas é sem dúvida uma plataforma de apoio a considerar para os negócios online.

Segundo a Tech Target, os principais movimentos do m-commerce registam-se nas seguintes áreas:

  • Serviços financeiros – operações bancárias e de bolsa.
  • Telecomunicações – Alterações de serviços, pagamentos de faturas e visualização de contas.
  • Serviço e venda a retalho – Pagamento e encomendas em tempo real através das lojas online.
  • Serviços de informação – Notícias e atualizações financeiras, desportivas, de trânsito, meteorológicas, etc.

 

Mais artigos sobre omnichannel

O m-commerce possibilita uma experiência omnichannel em que os produtos são vendidos em múltiplas plataformas e canais. Para os consumidores, fica mais fácil escolher e comprar o que quiserem. Saiba mais sobre a estratégia omnichannel que permite chegar ao maior número possível de utilizadores.

 

2. Voice commerce

O voice commerce usa a tecnologia de comandos de voz em vez de obrigar a digitar as palavras dos bens e serviços que procura.

Um assistente digital virtual (VDA) – sejam eles o Google Assistant, a Siri da Apple ou a Alexa da Amazon – ajuda os consumidores a pesquisar e comprar qualquer artigo online.

Neste sentido, o voice commerce é mais conveniente, inclusivo e avançado que o e-commerce tradicional.

Conveniente porque a pesquisa por voz pode ser feita em qualquer lugar: via VDA, smartphone, call center ou apps. Inclusivo porque, sendo a voz um elemento natural, permite que mais pessoas não familiarizadas com a tecnologia ou com dificuldades de visão tenham acesso às pesquisas.

O Statista reuniu dados sobre o valor global de compras realizadas através de VDA e estima que dos US$ 4,6 mil milhões registados em 2021, seja possível alcançar os US$ 19,4 mil milhões em 2023.

A nível mundial, o uso de autofalantes inteligentes aumentou 69% durante a pandemia. O Médio Oriente foi a região que registou maior crescimento (73%), seguido da América do Norte (72%) e Europa (64%).

 

3. Social commerce

As redes sociais vão assumir um papel cada vez mais preponderante no comércio digital, com os influencers a causar maior impacto na decisão de compra.

O Blog do Hootsuite explica o que é o Social Commerce e como pode ser usado para aumentar as suas vendas.

A tendência do Social Shopping tem crescido desde 2019 como uma experiência de compra fácil, acessível e conveniente para os utilizadores. As pessoas querem comprar determinado artigo no exato momento em que o descobrem na rede social que estão a utilizar na altura. As transações comerciais são completadas sem sair da app dessa rede.

Cerca de 724 mil milhões de dólares foram gerados em social commerce em 2022 em todo o mundo, segundo o Statista. A estimativa é que venha a crescer mais de 30% entre 2022 e 2030.

Outro relatório de 2022 da GlobalWebIndex (GWI) mostra que cerca de 27% dos jovens estão a utilizar as redes sociais para encontrar e comprar coisas. 26% dos jovens vêm atualizações e conteúdos das suas marcas preferidas. Existe aqui uma oportunidade para personalizar mensagens de forma mais natural e orgânica, contando com a ajuda de influencers.

 

 

As marcas, obviamente, aproveitam esta vontade de comprar online para mostrar tudo aquilo que têm para oferecer em social media. É uma área com imenso potencial de negócio e deve ser incluída na estratégia de marketing das empresas.

No entanto, é importante saber como se adaptar a cada uma das principais plataformas: Instagram, Pinterest, Facebook e TikTok.

A este propósito, foi recentemente revelado que o TikTok está apostar na criação de “um sistema internacional de comércio eletrónico” e num conjunto de armazéns internacionais e para tratar de desalfandegamentos, ao mesmo tempo que anuncia mais de uma dúzia de anúncios de vagas de emprego no LinkedIn.

 

4. Automação

A inteligência artificial vai progressivamente processar grande parte das operações comerciais através da automação. A interação humana irá ficar reservada apenas para as questões mais complexas e menos repetitivas.

Mulher com megafone e símbolos relacionados com redes sociais e e-commerce.

A automação engloba as operações de pagamento sem contacto (caso da Apple Pay, PayPal One Touch e Visa Checkout); a organização de fluxos de trabalho; ou integração de outros sistemas: o envio de e-mails, reembolsos de pagamento, instalação de bots, etc.

O desenvolvimento de apps para e-commerce veio facilitar todo o processo. À medida que o negócio cresce, qualquer marca pode começar com módulos básicos e acrescentar ou remover funcionalidades como machine learning, realidade virtual ou aumentada, pesquisa avançada, assistente de voz, lista de desejos, comparação de artigos ou carrinho de compras. Tudo isto sem necessidade de funcionários.

 

5. Web 3.0

Com as Aplicações Progressivas da Web (PWAs), a descentralização da Internet dará mais espaço e liberdade para todos os agentes económicos. Ou seja, o comércio eletrónico não será dominado pelas grandes empresas, permitindo que os pequenos negócios e mesmo indivíduos também brilhem.

Como? Por exemplo, ao proporcionar uma experiência de compra que passa pela criação de um avatar, que visita uma loja online situada numa rua digital e compra virtualmente os produtos que quiser.

As Aplicações Progressivas da Web criam sinergias para que as empresas possam atualizar as informações, funcionalidades e disposição do website, sem afetar a aplicação móvel. Carregam instantaneamente, respondem rapidamente e aumentam o envolvimento com os utilizadores.

As notificações são o exemplo perfeito para demonstrar a eficácia do PWA como ferramenta de marketing, em comparação com métodos mais tradicionais como o e-mail. Ao aparecer no smartphone do consumidor, a notificação conduz diretamente a uma oferta específica na aplicação móvel e apela à ação imediata.

Algumas marcas relataram um crescimento de mais de 150% de utilizadores móveis ativos desde que adotaram um PWA. Temos a certeza de que mais empresas vão querer seguir essa via em 2023.

 

FAQ

  • O que é o m-commerce?

O m-commerce são as transações comerciais efetuadas através de aparelhos móveis (smartphones e tablets).

  • Qual a data da Black Friday e Cyber Monday?

A Black Friday assinala-se tradicionalmente na última sexta-feira de novembro, logo a seguir ao Dia de Ação de Graças, aproveitando a procura das compras de Natal para escoar os produtos das lojas. Nos últimos anos, o evento tem-se prolongado até à segunda-feira seguinte, com a Cyber Monday a destacar as promoções das compras online.

  • Quais as melhores redes sociais para e-commerce?

O Instagram, Pinterest, Facebook e TikTok são as redes sociais mais fortes no segmento de comércio social também conhecido como social shopping.

  • O que é o VDA?

VDA significa Virtual Digital Assistant (em português, assistente digital virtual), que ajuda os consumidores a pesquisar e comprar qualquer artigo online. Exemplos disso são o Google Assistant, a Siri da Apple ou a Alexa da Amazon.

  • O que é a Web.3?

A Web 3.0 é a ideia de uma nova e melhor internet. É entendida como a terceira geração da evolução de tecnologias, que incorpora conceitos como descentralização, abertura e aumento da utilidade para o consumidor.

  • Quais os principais processos de automação no e-commerce?

A automação engloba, por exemplo, operações de pagamento sem contacto (caso da Apple Pay, PayPal One Touch e Visa Checkout), organização de fluxos de trabalho, integração de outros sistemas, instalação de bots, etc.

 

Fontes:

E-commerce News

Tech Target

Statista

Global Web Index

It News Africa

The Future of Commerce

Axios

Hootsuite

Salesforce

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Scroll to Top